AVALIAÇÃO DO ÍNDICE DE DESCONFORTO TÉRMICO (IDT) EM ESCOLAS DE TEMPO INTEGRAL EM UMA CIDADE DO NORDESTE BRASILEIRO

Authors

  • Gabrielle Diniz dos Santos UFPB

DOI:

https://doi.org/10.32435/envsmoke.20181286-109

Keywords:

Conforto ambiental, Ambientes de ensino, Escolas públicas.

Abstract

O conforto térmico é um tema de extrema importância, porém ainda de pouca relevância no meio acadêmico. Visto que as temperaturas ambientais vêm sendo atenuadas com as atividades humanas, o meio urbano também vem sendo afetado por estes fatores, devido a grande taxa de urbanização sem o devido cuidado com o ambiente em que são inseridos os elementos urbanos, sendo assim tais fatores vem causando aumento das temperaturas no meio urbano no âmbito externo e por consequência no ambiente interno, devido os elementos de cobertura do solo e das superfícies das construções. Sendo assim, este trabalho tem como objetivo a avaliação do conforto térmico em quatro escolas públicas municipais de tempo integral da cidade de João Pessoa/PB. Sendo elas Escola Municipal de Ensino Fundamental (EMEF) Conego João de Deus, EMEF Radegundis Feitosa, EMEF Ana Cristina Rolim Machado e EMEF Chico Xavier. Para a obtenção dos dados foram utilizados os termohigrômetros do tipo HOBO U-10, que foram alocados na sala mais desconfortável de cada escola analisada, os dados foram coletados durante 15 dias do período letivo do mês de Dezembro, tido como início do período seco da região. Após a obtenção dos dados, os mesmos foram processados e analisados de acordo com o índice de desconforto (IDT) de Thom e suas faixas de classificação adaptadas por Santos em 2011 para regiões de clima tropical. Os resultados mostraram que a escola com maior índice de Desconforto Térmico foi a Escola EMEF Conego João de Deus e este resultado se deu devido as configurações da sala de aula observada e do entorno bastante urbanizado. A escola com IDT mais ameno foi a escola Ana Cristina Rolim Machado e este resultado se deu devido a maior concentração de área arborizado no entorno da sala, bem como a estrutura do prédio que impede a entrada direta do sol na sala de aula. É possível afirmar também que todas as escolas demonstram altas taxas de desconforto térmico, e que está associado as configurações da sala de aula e sua localização em relação ao prédio da escola, bem como a falta de planejamento visando o clima da região para a construção de ambientes com maior eficiência energética e conforto térmico que possam favorecer o processo de aprendizado nesses ambientes.

Downloads

Download data is not yet available.

Author Biography

Gabrielle Diniz dos Santos, UFPB

Bacharel em Ecologia, UFPB. Especialista em Planejamento Urbano e Gestão de Cidades, UNIPE. Mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente (PRODEMA), UFPB.

References

BATISTA, J.B.; CARLOTTO, M.S.; COUTINHO, A.S.; PEREIRA, D.A.; AUGUSTO, L.G. O ambiente que adoece: condições ambientais de trabalho do professor do ensino fundamental. Cadernos Saúde Coletiva, v. 18, n. 2, p. 234-242, 2010.

BATIZ, E.C.; GOEDERT, J.; MORSCH, J.J.; KASMIRSKI-JR, P.; VENSKE, R. Avaliação do conforto térmico no aprendizado: estudo de caso sobre influência na atenção e memória. Produção, v. 19, n. 3, p. 477-488, 2009.

BOURBIA, F.; BOUCHERIBA, F. Impact of street design on urban microclimate for semi arid climate (Constantine). Renewable Energy, v. 35, p. 343-347, 2012.

DUARTE, D.H.S.; SERRA, G.G. Padrões de ocupação do solo e microclimas urbanos na região de clima tropical continental brasileira: correlações e propostas de um indicador. Revista Ambiente Construído, v. 3, n. 2, p. 7-20, 2003.

FRANCO, F. M.; NOGUEIRA, M. C. J. A. Análise microclimática em função do uso e ocupação do solo em Cuiabá-MT. Mercator, Fortaleza, v. 11, n. 26, p. 157-170, 2012.

HOLANDA, A. Roteiro para construir no Nordeste: arquitetura como lugar ameno nos trópicos ensolarados. 48 f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Urbano)–Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 1976.

LAMBERTS, R.; GHISI, E.; PAPST, A.L. Desempenho térmico de edificações. Apostila LabEEE, Universidade Federal de Santa Catarina, 3 ed., 2005.

LAMBERTS, R., XAVIER, A.A., GOULART, S.; VECCHI, R.D. Conforto e stress térmico. LabEEE, Universidade Federal de Santa Catarina, 2011.

LENGEN, J. V. Manual do Arquiteto Descalço. Rio de Janeiro, 2004.

MILLS, G.; CLEUGH, H.; EMMANUEL, R.; ENDLICHER, W.; ERELLE, E.; MCGRANAHAN, G.NG.E.; NICKSON, A.; ROSENTHAL, J.; STEEMER, K. Climate Information for Improved Planning and Management of Mega Cities (Needs Perspective). Procedia Environmental Sciences, v. 1, n. 1, p. 228-246, 2010.

PAULA, R.Z.R. A influência da vegetação no conforto térmico do ambiente construído. 119 f. Tese (Doutorado em Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo)–Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2004.

PIZARRO, P.R. Estudo das variáveis do conforto térmico e luminoso em ambientes escolares. 178 f. Dissertação (Mestrado em Desenho Industrial)–Universidade Estadual Paulista, Bauru, 2005.

RUAS, A.C.; LABAKI, L.C. Ventilação do ambiente e conforto térmico. VI Encontro Nacional e III Encontro sobre Conforto no Ambiente Construído. São Pedro, São Paulo. 8p. 2001.

SANTOS, J.S. Campo térmico urbano e a sua relação com o uso e cobertura do solo em uma cidade tropical úmida. 108 f. Tese (Doutorado em Recursos Naturais). Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, 2011.

SHAMS, J. C. A.; GIACOMELI, D. C.; SUCOMINE, N. M. Emprego da arborização na melhoria do conforto térmico nos espaços livres públicos. REVSBAU, Piracicaba–SP, v. 4, n. 4, p. 1-16, 2009.

Published

31/12/2018

How to Cite

Santos, G. D. dos. (2018). AVALIAÇÃO DO ÍNDICE DE DESCONFORTO TÉRMICO (IDT) EM ESCOLAS DE TEMPO INTEGRAL EM UMA CIDADE DO NORDESTE BRASILEIRO. ENVIRONMENTAL SMOKE, 1(2), 86–109. https://doi.org/10.32435/envsmoke.20181286-109

Issue

Section

Artigos Completos

Similar Articles

You may also start an advanced similarity search for this article.

Most read articles by the same author(s)