UMA LEITURA METODOLÓGICA DE A FUNÇÃO SOCIAL DA GUERRA NA SOCIEDADE TUPINAMBÁ (LIVRO PRIMEIRO - A TECNOLOGIA GUERREIRA) DE FLORESTAN FERNANDES

Authors

DOI:

https://doi.org/10.32435/envsmoke.202031087-094

Keywords:

Estudos etnográficos, Sociologia, Antropologia.

Abstract

Este ensaio propõe uma leitura metodológica sobre o Primeiro livro – A tecnologia guerreira, da obra do Florestan Fernandes, “A função social da guerra na Sociedade Tupinambá”.  Para a construção da escrita etnográfica, Florestan procura potencializar a literatura produzida sobre os tupinambá, a dissertação e a tese (orientadas por Fernando Azevedo) sobre os Tupinambá foram estudos etnográficos a partir de fontes puramente historiográficas (relatos de cronistas e viajantes ao “Brasil” dos séculos XVI e XVII), método não muito utilizado na Sociologia e na Antropologia que veem a etnografia como “estive lá”. A tese do Florestan foi dedicada aos professores e etnólogos Herbert Baldus e Roger Bastide (membros da banca de defesa da tese). Sherry Ortner no ano de 2006 define a teoria como a série de "estruturas de pensamento" - incluindo conceitos, metáforas e narrativas que fornecem estruturas interpretativas para dar sentido à evidência. Florestan caracterizou em notas a análise dos relatos dos cronistas e viajantes, sempre crítica, procurando verificar se elas não se contradizem e o contexto histórico de cada obra e autor (caráter literário, encomenda, relatório de governo, etc.). O interesse em compor este ensaio é dar visibilidade as discussões teórico-metodológicas presentes na obra de Florestan Fernandes que podem contribuir para o debate nas Ciências Sociais e nas áreas afins.

Downloads

Download data is not yet available.

Author Biography

Mirella de Almeida Braga, Centro Universitário de João Pessoa

Doutoranda em Antropologia/Universidade Federal de Pernambuco (UFPE); Professora do Curso de Direito/Centro Universitário de João Pessoa (UNIPÊ), João Pessoa, Paraíba, Brasil.

References

BRAGA, M.L.S. A recepção do pensamento de Roger Bastide no Brasil. Sociedade e Estado. v. 15, n. 2, 2000.

DAS, V. Wittgenstein and anthropology. Annual Review of Anthropology. v. 27, 1998.

ENGELKE, M. The objects of evidence. Journal of the Royal Anthropological Institute. 2008.

FERNANDES, F. A função social da guerra na sociedade Tupinambá. São Paulo: Pioneira, 1970.

FERNANDES, F. A organização social dos Tupinambás. São Paulo: Difel, 1963.

GARCIA, S.G. Destino ímpar: sobre a formação de Florestan Fernandes. São Paulo: Ed. 34, 2002.

MÉTRAUX, A. A civilização material das tribos tupi-guarani. Campo Grande: Editora Alvorada, 2012.

MÉTRAUX, A. A religião dos Tupinambás e suas relações com as demais tribos tupi-guarani. São Paulo: Editora da USP, 1979.

OLIVEIRA, M.M. Florestan Fernandes. Recife: Massangana, 2010.

ORTNER, S. Anthropology and social theory: culture, power, and the acting subject. Durham: Duke University Press, 2006.

PEIRANO, M. A antropologia esquecida de Florestan Fernandes: os Tupinambá. Anuário Antropológico 82. Fortaleza/Rio de Janeiro: Edições UFC/Tempo Brasileiro, 1984.

SAMPAIO-SILVA, O. O antropólogo Herbert Baldus. Revista de Antropologia. v. 43, n. 2. São Paulo, 2000.

SOARES, E.V. Florestan Fernandes: o militante solitário. São Paulo: Cortez, 1997.

VERGER, P.R.B. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros. São Paulo, n. 20, 1978.

Published

12/02/2020

How to Cite

Braga, M. de A. (2020). UMA LEITURA METODOLÓGICA DE A FUNÇÃO SOCIAL DA GUERRA NA SOCIEDADE TUPINAMBÁ (LIVRO PRIMEIRO - A TECNOLOGIA GUERREIRA) DE FLORESTAN FERNANDES. ENVIRONMENTAL SMOKE, 3(1), 087–094. https://doi.org/10.32435/envsmoke.202031087-094

Issue

Section

Artigos Completos