VIABILIDADE DA RECICLAGEM NO ESTADO DA PARAÍBA

Authors

  • Nadja Helaine de Araújo
  • Gil Dutra Furtado
  • Gabrielle Diniz dos Santos

DOI:

https://doi.org/10.32435/envsmoke.201812147-168

Keywords:

Lixo, Desenvolvimento Sustentável, Políticas Públicas.

Abstract

Atualmente, os problemas enfrentados pela humanidade são consequências de um aumento desordenado da população, má distribuição de renda, falta de estruturação e compromisso por parte de alguns governantes e o crescente desequilíbrio ambiental que assola o mundo. No tocante ao desequilíbrio ambiental, a produção e a destinação inadequada do lixo tem provocado um excesso de resíduos sólidos, líquidos e gasosos que poluem a água, o solo e o ar. As políticas públicas ainda se tornam um desafio no Estado da Paraíba devido a demanda de resíduos e lixo que são produzidos diariamente. A coleta seletiva solidária realizada através dos catadores, que trabalham em forma de cooperativas, pode se tornar um exemplo de Políticas Públicas. Diante disso, o presente trabalho foi realizado através de pesquisas bibliográficas, com intuito de auxiliar na busca de novos caminhos para o destino dos resíduos. É necessário também que governantes, empresas privadas e comunidade em geral se mobilizem para atuar numa das mais simples e óbvias maneiras de encaminhar o lixo para um destino: A reciclagem. O papel da reciclagem nos dias de hoje é imprescindível, pois através dela podemos transformar algo até então inutilizado em arte, benefícios para a população, entre outros e ainda diminuir a quantidade de resíduos “indesejáveis”.

Downloads

Download data is not yet available.

Author Biographies

Nadja Helaine de Araújo

Bióloga; Mestra em Manejo e Desenvolvimento de Meio Ambiente.

Gil Dutra Furtado

Graduando em Medicina Veterinária UNINASSAU/PB; Engenheiro Agrônomo/UFPB; Doutor em Psicobiologia/UFRN; Sócio da Cooperativa de Agronegócio (COOPAGRO). 

Gabrielle Diniz dos Santos

Bacharel em Ecologia, UFPB; Especialista em Planejamento Urbano e Gestão de Cidades, UNIPE; Mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente (PRODEMA), UFPB.

References

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 10004: resíduos sólidos. Classificação. Rio de Janeiro, 2004. 77p.

BARBOSA, G.S. O desafio do desenvolvimento sustentável. Revista Visões 4ª Edição, v. 1, n. 4, p. 1-11. Jan/Jun., 2008.

BARTONE, C. Infrastructure Note W&S NA UE-3. World Bank, Washington, USA, 2001.

BIANCHINI, T. Coleta seletiva é a saída. Ecologia e Desenvolvimento. Rio de Janeiro, v. 11, n. 96, p. 20, set. 2001.

BRANCO, S.M. Poluição: A morte de nossos rios. São Paulo: ASCETESB, 1983.

BRUNDTLAND, G.H. Nosso futuro comum: Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento. 2. ed. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1991.

CALDERONI, S. Os bilhões perdidos no lixo. ln:_____. Há espaço para tanto lixo? 4. ed. São Paulo: Humanitas/FFLCHUSP. p. 95-96, 2003.

CALDERONI, S. Os bilhões perdidos no lixo. ln:_____. O mercado de reciclagem e o papel do governo. 4. ed. São Paulo: Humanitas/FFLCHUSP. 303-318, 2003.

CANEPA, C. Cidades Sustentáveis: o município como lócus da sustentabilidade. São Paulo: Editora RCS, 2007.

CARTA DA TERRA. Organização das Nações Unidas, 2002.

CARTA DE OTTAWA. Primeira Conferência Internacional sobre a Promoção da Saúde. Ottawa, 1986. Disponível em www.opas.org.br Acesso em novembro de 2007.

CEMPRE - Compromisso Empresarial para a Reciclagem. 2009. Disponível em: http://www.cempre.org.br/. Acesso em: 5 fev. 2018.

CESAR, A.P.; DE PAULA, D.A.; KROM, V. Importância da reciclagem de vidro. VIII Encontro Latino Americano de Iniciação Cientifica e IV Encontro Latino Americano de Pós-Graduação – Universidade do Vale do Paraíba. 2004. Disponível em: http://www.inicepg.univap.br/cd/INIC_2004/trabalhos/inic/pdf/IC6-17.pdf. Acesso em: 11 set. 2018.

COMPROMISSO EMPRESARIAL PARA RECICLAGEM (CEMPRE). Latas de Alumínio – o mercado para reciclagem. Disponível em: http://www.cempre.org.br/fichas_tecnicas_latas_aluminio.php Acesso em: 11 set. 2018.

ELKINGTON, J. Canibais com garfo e faca. São Paulo: Makron Books, 2001.

FANDINI, P.S.; FANDINI, A.A.B. Lixo: desafios e compromissos. Cadernos Temáticos de Química Nova na Escola. Edição especial. Maio 2001.

GIL, A.C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GRIPPI, S. Lixo, reciclagem e sua história: guia para as prefeituras brasileiras. Rio de Janeiro: Interciência, 2001. 134 p.

MONTEIRO, J.H.P.; ZVEIBIL, V.Z. Manual integrado de gerenciamento de resíduos sólidos. Rio de Janeiro: IBAM, 2001. 204 p.

RODRIGUES, F.L.; CAVINATTO, V.M. Lixo: de onde vem? Para onde vai? Editora Moderna: 1997, p. 58.

SCHARF, R. Manual de Negócios Sustentáveis. São Paulo, Amigos da Terra, 2004.

WIEGO - WOMEN IN INFORMAL EMPLOYMENT: GLOBALIZING AND ORGANIZING. Enfocándonos en las trabajadoras informales: recicladoras de basura. Cambridge. Disponível em: http://www.wiego.org/WIEGO_En_Espanol/publicaciones/FactSheet-Rec-Spanish.pdf Acesso em: 20 Maio. 2011.

Published

31/12/2018

How to Cite

Araújo, N. H. de, Furtado, G. D., & Santos, G. D. dos. (2018). VIABILIDADE DA RECICLAGEM NO ESTADO DA PARAÍBA. ENVIRONMENTAL SMOKE, 1(2), 147–168. https://doi.org/10.32435/envsmoke.201812147-168

Issue

Section

Artigos Completos

Most read articles by the same author(s)

> >>