ECOLOGÍA URBANA Y CONTROL POBLACIONAL DE ANIMALES DOMÉSTICOS

Autores

  • Katiana Barbosa de Arruda Universidade Estadual da Paraíba; Universidade Federal da Paraíba
  • Gil Dutra Furtado Universidade Federal da Paraíba; Cooperativa de Serviços Técnicos do Agronegócios http://orcid.org/0000-0001-5611-4814
  • Daniel da Silva Vieira

DOI:

https://doi.org/10.32435/envsmoke.20181173-86

Resumo

Este trabajo tiene como objetivo presentar la importancia de la ecología urbana para la gestión ambiental y el control poblacional de animales domésticos, considerandos un problema de salud pública y una amenaza a la fauna nativa. Con la adopción de una gestión pública responsable, bien como la observación y el cuidado del medio ambiente en los centros urbanos, es posible hacer que las ciudades sean equilibradas y armónicas en beneficio de la convivencia de todos los animales, sean eles domésticos, silvestres o exóticos. Como metodología para esta investigación, ser realizó un levantamiento del referencial teórico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Katiana Barbosa de Arruda, Universidade Estadual da Paraíba; Universidade Federal da Paraíba

Bacharela em Direito/Universidade Estadual da Paraíba (UEPB); Licenciada em Letras/UEPB. Mestra em Linguagens e Letramentos/UEPB. Mestra em Desenvolvimento e Meio Ambiente (PRODEMA)/Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Professora de Língua Portuguesa na rede municipal de ensino da cidade de Aroeiras/PB. Atuante na área de Direito Ambiental, participa de projetos de capacitação de gestores ambientais e na conscientização e sensibilização das comunidades locais quanto à preservação do meio ambiente. Vem realizando pesquisas na área de gênero, literatura marginal e cultura popular.

Gil Dutra Furtado, Universidade Federal da Paraíba; Cooperativa de Serviços Técnicos do Agronegócios

Engenheiro Agrônomo e Psicopedagogo, Doutor em Psicobiologia e Pós-Doutor em Desenvolvimento do Meio Ambiente. Atualmente é Cooperado da COOPAGRO (Cooperativa de Serviços Técnicos do Agronegócios)

Daniel da Silva Vieira

Doutorando em Ecologia Humana, no Programa de Pós-Graduação em Ecologia Humana, Curso de Doutoramento em Ecologia Humana, da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, da Universidade Nova de Lisboa - FCSH-UNL, desde julho de 2016. Possui graduação em Ecologia ,pela Universidade Federal da Paraíba (2013) e Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente, pela Universidade Federal da Paraíba (2016)

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE PRODUTOS PARA ANIMAIS DE ESTIMAÇÃO (ABINPET). Setor pet chega a R$ 18 bilhões em 2015, mas não sem os efeitos da crise. 2018. Disponível em: <http://abinpet.org.br/site/setor-pet-chega-a-r-18-bilhoes-em-2015-mas-nao-sem-os-efeitos-da-crise/>. Acesso em 5 jul. 2018.

BECHARA, E. Língua e linguagem. Rio de Janeiro: Editora da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2003.

BEGON, M. Ecologia: de indivíduos a ecossistema. Tradução de Adriano Sanches Melo et al. Porto Alegre: Artmed, 2007.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988.

BRASIL. Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998. Lei de Crimes Ambientais. Legislação federal. 2018. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9605.htm>. Acesso em: 10 jul. 2018.

CAMPOS, C.B. Impacto de cães (Canis familiaris) e Gatos (Felis catus) errantes sobre a fauna silvestre em ambiente peri-urbano. 71 f. Dissertação (Mestrado em Ecologia de Agroecossistemas)–Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Universidade de São Paulo. 2004.

CAVALHEIRO, P. População de gatos cresce o dobro no Brasil em relação a de cães. Disponível em: http://g1.globo.com/hora1/noticia/2015/04/populacao-de-gatos-cresce-o-dobro-em-relacao-de-caes-no-brasil.html. Acesso em: 9 abr. 2017.

CHEVALIER, J.; GHEERBRANT, A. Dicionário de símbolos: mitos, sonhos, costumes, gestos, formas, figuras, cores, números. Tradução Vera da Costa e Silva et al. Rio de janeiro: J. Olympio, 2009.

DOTTI, J. Terapia e animais. São Paulo: Livrus, 2014.

GALETTI, M.; SAZIMA, I. Impactos de cães ferais em um fragmento urbano de Floresta Atlântica no sudeste do Brasil. Natureza & Conservação, v. 4, n. 1, p. 58-63, 2006.

GENARO, G. Gato doméstico: comportamento e clínica veterinária. Disponível em: http://gelsongenaro.com.br/pdf/ETOLOGIA/MEDVEP2005.pdf. Acesso em: 5 abr. 2017.

GRANDIN, T. O bem-estar dos animais: proposta de uma vida melhor para todos os bichos. Tradução Angela Lobo de Andrade. Rio de Janeiro: Rocco, 2010.

HOROWITZ, A. A cabeça do cachorro. Tradução de Lourdes Sette. Rio de Janeiro, 2012.

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS (IBAMA). Portaria nº 93, de 7 de julho de 1998. Importação e exportação fauna silvestre, 1998. Disponível em: <http://www.ibama.gov.br>. Acesso em: 23 jul. 2018.

LIMA, A.F.M.; LUNA, S.P.L. Algumas causas e consequências da superpopulação canina e felina: acaso ou descaso? Revista Educação Continuada em Medicina Veterinária e Zootecnia do CRMV-SP, v. 10, n. 1, p. 32-38, 2012.

MICHAELIS. Moderno dicionário da língua portuguesa. São Paulo: Editora Melhoramentos, 2017.

MILARÉ, E. Direito do Ambiente. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2014.

MORRIS, D. O contrato animal. Tradução Lucia Simonini. Rio de janeiro: Record, 1990.

NUNES, O.C. O comércio clandestino e a saúde dos animais silvestres. Informe Vet, Salvador, p. 8, 2017.

PIEDADE, H.M. Caderno de educação ambiental: fauna urbana, n. 17, v. 1. São Paulo: Secretaria do Meio Ambiente, 2013.

RANGEL, C.H.; NEIVA, C.H.M.B. Predação de vertebrados por cães Canis lupus familiaris (Mammalia: Carnivora) no Jardim Botânico do Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Biodiversidade brasileira, Brasília, v. 3, n. 2, p. 261-269, 2013.

SANTANA, L.R.; OLIVEIRA, T.P. Guarda responsável e dignidade dos animais. 2008. Disponível em: <http://www.abolicionismoanimal.org.br/artigos/guarda_responsavel_e_dignidade_dos_animais.pdf>. Acesso em: 9 jul. 2018.

SANTOS, K.C.P.T. Terapia assistida por animais: uma experiência além da ciência. São Paulo: Paulinas, 2006.

SANTOS, M. A urbanização brasileira. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2013.

SANTOS, M. O espaço cidadão. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2014.

SILVA, N.G. Proposta de um sistema de gestão ambiental adaptado a canis municipais. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE GESTÃO AMBIENTAL, 6., 2015, Porto Alegre. Resumos... Porto Alegre, 2015, p. 1-11.

SUSSEKIND, F. O rastro da onça: relações entre humanos e animais no Pantanal. Rio De Janeiro: 7Letras, 2014.

THOMAS, K. O homem e o mundo natural: mudanças de atitude entre homens e animais (1500-1800). Tradução de João Roberto Martins Filho. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

TOCCHETTO, D. Perícia Ambiental Criminal. 3 ed. São Paulo: Millennium Editora, 2014.

YOUNG, J.K.; OLSON, K.A.; READING, R.P.; AMGALANBAATAR, S.; BERGER, J. Is wildlife going to the dogs? Impacts of feral and free-roaming dogs on wildlife populations. BioScience, Cary, v. 61, n. 2, p. 125-132, 2011.

Downloads

Publicado

07/12/2018

Como Citar

Arruda, K. B. de, Furtado, G. D., & Vieira, D. da S. (2018). ECOLOGÍA URBANA Y CONTROL POBLACIONAL DE ANIMALES DOMÉSTICOS. ENVIRONMENTAL SMOKE, 1(1), 73–86. https://doi.org/10.32435/envsmoke.20181173-86

Edição

Seção

Artigos Completos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

> >>